De onde surge nosso sofrimento?

Honestamente, você já se perguntou sobre isso? Será que nascemos destinados a sofrer ou isso é apenas um acidente cósmico?

Caso nunca tenha refletido sobre o tema, então vou tentar ajuda-lo na questão:

  • Você está num determinado trabalho, descontente, e costuma repetir para si mesmo: minha vida seria muito melhor se eu estivesse em outro emprego agora…
  • Sua família / amigos não te entendem. “Como podem não compreender tudo que tenho feito? Eles deveriam me tratar de outra maneira… ”
  • Algumas pessoas acreditam que sabem o que é melhor pros outros e se esforçam pra que ele seja diferente do que é (mesmo que ele não seja mais nenhuma criança): “Ele deveria arrumar um emprego / estudar mais, assim sua vida seria melhor”…
  • Você já colocou combustível adulterado no seu carro? Todo mundo sabe onde isso vai parar… Algumas pessoas saudáveis passam dos limites e “adulteram” sua energia; mas quando o corpo cobra o seu preço, acreditam que “Esta doença me irrita e limita, tudo seria diferente se ela não existisse…”
  • E finalmente, a campeã das distorções: “eu deveria ter mais sucesso / dinheiro e seria muito mais feliz se fosse assim”…

Todas estas frases (mais as infinitas variantes que sua mente possa estar produzindo neste exato momento) tem alguns pontos em comum.

A mais óbvia é que são reclamações (a melhor maneira de nos manter onde estamos). Você consegue mudar alguma coisa ruminando mentalmente? E o que é mais revigorante: reclamar de um trabalho ruim ou trabalhar para encontrar um melhor? Queixar-se das pessoas ou apoia-las em suas escolhas? Se você costuma reclamar, saiba que está apegado ao prazer que a reclamação lhe proporciona, “o doce prazer do sofrimento…”

Além disso, estas são distintas formas de alimentar insatisfação (e a nossa mente/ego é especialista nisto). Para ela, nada está bom como está e, sem falsa modéstia, sempre sabe o que é melhor para o mundo. E ainda acredita (de forma insana) que quanto mais energia depositar em sua queixa, quanto mais raiva ou lamentação produzir, quanto mais alto proferir ao mundo suas lamúrias e chantagens, tanto melhor! Algumas pessoas, agindo feito crianças birrentas, até conseguem a atenção que gostariam e moldam as pessoas a sua volta conforme suas próprias convicções. Mas como realizam esta mudança com base na negatividade egóica (que tem como alicerce principal o medo), acabaram de adubar no coração daqueles que cederam a semente do ressentimento. E, inevitavelmente, precisarão colher o que plantaram…

E o mais importante: as coisas são como são e isso nunca vai mudar. A vida É aquilo que É, e cada vez que tentamos nos opor a isso, geramos sofrimento desnecessário pra nós. E o que é sofrimento desnecessário? Bem, minha modesta opinião é que NENHUM SOFRIMENTO É NECESSÁRIO! Acredite, é tudo fruto da sua mente – só isso! Mas negar esta realidade é a melhor maneira da mente (o funcionário) continuar se comportando como o gerente (sua consciência) e manter o controle sobre a situação confundindo-se com seus pensamentos – aqueles que estão agora mesmo em sua cabeça, que não param, que reclamam, que condenam, que justificam, que nunca se calam e que sustentam todos os seus atos e reprovam os dos outros (porque afinal de contas você sempre sabe o que é melhor pra eles!) …

Vamos dar um exemplo: você assistiu aos tão aguardados jogos da copa? Em meu caso particular, definitivamente não… Mas acompanhei pelos noticiários via internet (que me permitem filtrar conteúdo) que houve muita festa quando o evento começou e muito choro quando definhou. Ninguém esperava pela derrota, então nada mais justo do que expressar a frustração (?!)… Correto?

O choro alterou o placar? Resolveu o problema? Mudou alguma coisa na vida de alguém? Talvez na dos jogadores, mas e na sua? Se o resultado fosse diferente, mudaria algo pra você? Sua saúde e paz interior seriam diferentes? E por fim, seria uma atitude compassiva alimentar nosso prazer de vitória com a tristeza da derrota de outra nação?

Bem, e é exatamente assim que a mente humana funciona pra todas as outras questões da vida – mesmo as que são verdadeira e fundamentalmente importantes!

O que trouxe sofrimento aos torcedores baseia-se na expectativa de que algo diferente deveria ter acontecido. Deveria mesmo? Eis aí o resumo do problema: tudo que existe em nossa vida tem o direito e motivo de existir. O que deveria ter acontecido, aconteceu. E nada vai mudar isso. Tudo tem uma causa e obedece uma ordem, mas quando rotulamos estes eventos como bons ou ruins e resistimos a eles, lutando mentalmente e reagindo contra “algo” (negatividade é sempre resultado da falta de discernimento, reação e negação ao momento presente), o sofrimento é o inevitável resultado.

Ame a Realidade

Recentemente, tive contato com o livro acima descrito pela norte americana Byron Katie. Uma das suas abordagens sobre este assunto que merecem especial destaque diz o seguinte:

“Eu posso encontrar apenas três tipos de assuntos no Universo: os meus, os seus e os de Deus. (Para mim, a palavra Deus significa “realidade”. Realidade é Deus, porque ela manda. Qualquer coisa que está fora do meu controle, do seu controle ou do controle de qualquer outra pessoa, eu chamo de assuntos de Deus.)

Muito do nosso estresse vem de viver mentalmente fora dos nossos próprios assuntos. Quando eu penso: “Você precisa arrumar um emprego, eu preciso que você seja feliz, você deveria ser pontual, você precisa se cuidar melhor” eu estou nos seus assuntos. Quando eu estou preocupado(a) com terremotos, inundações, guerras ou quando eu vou morrer, eu estou nos assuntos de Deus. Se eu estou mentalmente nos seus assuntos ou nos assuntos de Deus, o efeito é separação. Eu percebi isso no início de 1986. Quando eu, mentalmente, estava nos assuntos da minha mãe, por exemplo, com um pensamento do tipo ―”Minha mãe deveria me entender” eu imediatamente experienciava um sentimento de solidão. Foi quando eu me dei conta de que, todas as vezes na minha vida em que eu me senti magoada ou solitária, eu estava nos assuntos de outra pessoa.

Se você está vivendo sua vida e eu estou mentalmente vivendo sua vida, quem está vivendo a minha? Estamos os dois lá. Estando mentalmente nos seus assuntos me afasta de estar presente nos meus próprios. Eu estou separado(a) de mim mesmo(a), pensando porque minha vida não funciona”.

Costumamos atribuir às nossas crenças a causa de nossas limitações. Isso também é verdade, porém crenças são sempre – e apenas – pensamentos persistentes aos quais nos apegamos as custas de tanto repeti-los. Não são reais. Realidade é aquilo que está acontecendo, agora, seja ela qual for – e o sofrimento é a oposição mental a ela.

Vamos fazer um teste?

Existem várias formas de chegar ao mesmo resultado, mas vamos ao mais simples: encontre em sua vida algo que incomoda, não importa exatamente o quê, mas é importante que você consiga responder algumas perguntas para termos bons resultados.

Isto é verdade? Você tem certeza disto? Quando aconteceu? Onde você estava quando este evento ocorreu e lhe gerou este sentimento negativo?

Inicie uma rodada de EFT, adaptando para suas respostas: “Embora em me sinta _____ por causa do que aconteceu, eu me aceito profunda e completamente…”

Geralmente bastam poucos minutos de aplicação para que a emoção negativa diminua ou até desapareça por completo. Estranho não? O evento do passado não foi modificado, então o que é que nos torna mais leves e tranquilos?

Atribuir sofrimentos a algo exterior é um equívoco derivado da falta de auto percepção. Vivemos constantemente em dois mundos, o interno e o externo. Sofrimento é interno, motivado por pensamentos negativos. Paz é interno, originado de uma consciência tranquila.

E isso tem ainda outro significado: não procure algo externo para lhe completar. Tudo que precisamos já existe e já está em nossa vida, exatamente… agora!

Mais no próximo artigo!

Siga-me!

Rafael Zen

Sou especialista em desenvolvimento humano: eu transformo a vida das pessoas - e adoro o que faço!
Siga-me!

Últimos posts por Rafael Zen (exibir todos)

Artigos relacionados:

6 thoughts on “De onde surge nosso sofrimento?

  1. Ola, interessante esse artigo porque ontem me atentei pra uma pratica minha de agradar e viver a vida dos outros, me negligenciando, fazendo o papel de boazinha e satisfazendo os desejos dos outros como se só eles importassem. É muito ruim porque não sou feliz assim muito pelo contrário me sinto a margem de mim mesma, nao consigo dar uma negativa para as pessoas. Me sinto explorada, sufocada e usada pelas pessoas. Eu não entendo o porque de tudo isso mas hoje em dia já enxergo os problemas graças a Eft que tem me ajudado muito.

  2. Esse é o X da questão, esse sofrimento que nao se dev e resistir ?deve ser aceito ?simplesmente devo aceitar e me contentar em nao busca cura, de viver como uma planta ?Tenho uma praga de insonia q nao me deixa anos, pela primeira vez em 5 anos to xigando isto poruqe perdi a paciencia, nao importa o q eu faça,posso ficar meditando durante 3 dias seguidos ou fazendo yoga por meses.posso dias sem pensar em nenhum tipo de problema,passado,presente ou futuro,mas nada.Virei uma planta,deixe de ser consciencia.

    1. Olá Alexandre,
      seu comentário mostra a maior dúvida que comumente existe neste campo: confundir aceitação e não resistência (que são internos) com ausência de ação exterior.
      Por exemplo: caí numa poça de lama. Quando eu aceito isto plenamente, não existe reclamação, lamentação, raiva ou qualquer outra emoção negativa (que são sinônimos de resistência). Se fosse descrito, o dialogo interno de alguém que está plenamente alinhado com esta situação seria algo mais ou menos assim: “ok, eu caí, e agora, qual a melhor medida pra sair daqui?”.
      Compreendeu?
      Vc FAZ ALGO, mas este FAZER não é sinônimo de negatividade (“que droga, agora vou ter que me lavar e perder tempo com esta porcaria…”)
      A resistência está visível no seu comentário pq ele é a causa da impaciência e xingamento que vc menciona. “Não resistir” não significa que vc fica sentado esperando que a solução bata a sua porta: vc faz sua parte, toma medidas, procura soluções, mas não permite ser abalado pela dificuldade externa – vc aceita o evento externo plenamente, exatamente como ele é…
      Quanto maior a resistência, maior a dificuldade pra se livrar do problema pq negatividade se alimenta de mais negatividade.
      Quanto maior a aceitação, maior energia interna pra encontrar uma verdadeira solução criativa.

  3. Boa tarde, o que vc acha sobre energia quântica? Eu gosto muito de EFT, TFT, acredito que somos o que pensamos e que tudo é energia. Estamos onde nos pusemos com a força do pensamento e que não devemos seguir o que os outros querem que sigamos, e sim o que nos faz feliz.

    1. Nós somos o que são nossos pensamentos e emoções, afinal como a física já sabe há pelo menos um século, tudo é energia.
      A medida que mudamos nosso nível de ser, ou nível de consciência, o lado de fora – o mundo exterior – se transforma também.
      Por isso sábios como Gandhi diziam: Quer mudar o mundo, comece com você!
      Um abraço

Comente! Sua opinião é importante pra nós!