Liberdade emocional

Liberdade Emocional

Um dos maiores desafios do homem é viver completamente o momento presente, sem os condicionamentos e memórias do passado. No entanto, as emoções que estão alojadas em nossas memórias (de forma subconsciente) teimam em aparecer e repetir-se infinitamente causando problemas.

Podemos até dar certos eventos por esquecidos, mas eles permanecem vivos ecoando diariamente em nós – até que decidimos assumir as rédeas de nossa vida!

Tomar esta decisão significa aceitar que somos plenamente responsáveis por nossa experiência no mundo, e ter a coragem de abandonar definitivamente os condicionamentos e apegos com o passado, vivendo o momento presente de forma mais consciente, sem a repetição constante de bloqueios e memórias antigas. Para realizar isto, precisamos nos tornar cientes destas emoções e libertá-las definitivamente.

Quem pratica EFT percebe o grande alívio, geralmente imediato, ao aplicar a técnica focando em episódios específicos de raiva, culpa, mágoa, tristeza, ressentimento e etc. A pessoa literalmente dissolve a carga negativa que estava ligada a fatos ocorridos no passado, eliminando com isso suas consequências nocivas no presente.

Em geral não percebemos como estes problemas mal resolvidos perturbam a nossa vida e o nosso bem estar, mas tudo isso fica acumulado em nosso corpo causando: desânimo, ansiedade, cansaço, depressão, dores, procrastinação, auto sabotagem e doenças físicas. Como os seres humanos estão acostumados a sentirem-se mal e, pior ainda, achar que isso é normal, não lembram ou mesmo não sabem como é sentir-se bem.

Após uma sessão bem conduzida de EFT, é comum a sensação de alívio, tranquilidade e paz interior, pois muitos assuntos que estavam “pesando” no sistema emocional e energético são dissipados, provocando um bem estar muito grande.

Agimos muito mais movidos por nossas emoções do que pela razão

Nossos padrões emocionais negativos (nossa inconsciente) nos levam a fazer coisas desnecessárias ou prejudiciais, ou deixar de fazer coisas importantes. Muitas vezes sentimos uma moleza, uma preguiça, seguidos de uma carga de sensações que vão nos fazer avaliar se devemos ou não, se podemos ou não fazer algo.

Algumas pessoas cedem e fazem coisas que não gostam para não se sentirem culpadas – mas terminam com raiva de si próprias por ceder.

Outras fazem apenas em busca de gratificação emocional, assim sentem-se valorizados e reconhecidos, embora as vezes as custas de sua própria saúde.

Se estamos em um trabalho ruim, insatisfeitos, tendemos a continuar nele por medo do novo.

Algumas vezes surge uma boa oportunidade e precisamos mudar de cidade, mas não vamos por medo da mudança, apego a família e amigos…

Por medo de sentirem-se só, algumas pessoas mantêm-se em relacionamentos doentios.

Outras vivem ciclos de auto sabotagem e eterna solidão sem compreenderem porquê…

Quem sofre de claustrofobia, não consegue andar de elevador, e vai evitar prédios altos pois terá que subir de escada.

Muitas pessoas mantém suas doenças como forma de se punirem por seus erros do passado. Embora digam que estão sofrendo, seu corpo trabalha contra elas em seu processo de cura…

Se estivermos com muita raiva, falamos e fazemos coisas que normalmente não faríamos – e depois nos culpamos pelo descontrole.

Por tudo isso, se percebe que são nossos condicionamentos emocionais negativos que comandam nossa vida. Nossa falta de consciência e autoconhecimento é a origem de nosso próprio sofrimento…

Ações baseadas na raiva, medo, culpa e tristeza evitam nosso progresso e crescimento, nos mantém parados onde estamos. Dessa forma, permanecemos no emprego ruim, não damos limites aos filhos, tratamos as pessoas com grosseria, evitamos lugares e situações.

Queremos a paz ou a guerra?

Todos temos a resposta. Então porque nosso mundo mostra fatos totalmente opostos? Porque ele é apenas um reflexo de nossas ações interiores. Enquanto vivermos com pensamentos desgovernados, nossas ações serão afins. Enquanto tivermos ressentimentos, iremos buscar culpados para eles. Enquanto vivermos com medo do futuro, construiremos um mundo de escassez. Enquanto o desejo desmedido existir, seremos a fonte da destruição de recursos naturais. Enquanto existir em nós a inconsciência e a negatividade, trataremos nossos semelhantes – e o mundo a nossa volta – da mesma maneira.

Temos sempre o livre arbítrio para tomar as atitudes que quisermos. Mas para que estas decisões sejam as melhores, é preciso que estejamos em paz conosco mesmos, sem amarras ou impedimentos, para que estas decisões sejam sempre baseadas em sentimentos positivos. Fazer as coisas não por impulso, mas porque é o melhor a ser feito. A escolha pode ser qualquer uma, não importa qual, mas baseado em um princípio primordial: fazer de forma consciente, não com base em condicionamentos negativos.

A paz não é o destino, é um caminho que se constrói diariamente, observando nossas falhas e eliminando nossa negatividade interior – EFT e a psicologia energética são uma excelente maneira de iniciar esta jornada…