Regressão

A Terapia de Vidas Passadas

Liberdade. Aqui e agora.

Este é o objetivo de qualquer trabalho de autoconhecimento – e a Regressão não é uma exceção. Mas liberdade tem infinitos níveis, então talvez a melhor pergunta seja: que nível nós verdadeiramente anelamos atingir?

Ao longo de nossos anos atuando na área terapêutica, tivemos acesso a incontáveis ferramentas de autotransformação.

Algumas, como florais ou EFT, tão simples que qualquer criança pode utilizar. Mas é importante lembrar que simplicidade não é sinônimo de ineficiência – e os milhares de casos de sucesso registrados pelo uso destas técnicas, nas mais diversas situações, comprovam seu potencial.

No entanto, nos últimos anos, temos sentido uma lacuna em todos estes métodos.

Para um número significativo de clientes, eles são altamente eficientes dentro daquilo a que eles se propõem.

Para outros, existe a sensação de estar andando em círculos, rodeando o mesmo problema central, cercando questões semelhantes, aliviando muitos sintomas, mas sem um “rompante” real. É como se faltasse algo.

Entretanto, existe um ponto em comum em ambas as situações: a busca por soluções dentro do mesmo nível em que os problemas foram criados. Bem, talvez elas até sejam encontradas pouco acima (o que já é suficiente para o número expressivo de bons resultados). Mas de que nível nós estamos falando? Do nível da mente discursiva – a mesma que cria o problema!

Esta “mente falante” é aquela que produz a voz incessante em sua cabeça, que se apega em crenças e situações, que compara como forma de se encontrar, que justifica suas atitudes. Ela é apenas uma pequena fração de nosso Ser – embora a grande massa de seres humanos tenha feito dela a sua morada, ignorando completamente sua real natureza.

Quando trabalhamos com crenças, por exemplo, estamos trabalhando ao nível da mente.

Quando substituímos uma “crença negativa” por outra “positiva”, continuamos no nível da mente. É como se trocássemos nossos óculos de lentes cinzas por lentes amarelas – mas a questão básica permanece: continuamos de óculos! Este tipo de método pode até nos tornar bem-sucedidos em alguns empreendimentos diários e substituir nossa velha gaiola enferrujada por uma dourada, mas a causa primária continua ali: continuamos cercados por grades invisíveis, morando numa caverna que, por falta de referências, parece um mundo inteiro!

Mas como dizem os antigos sábios: mente é maya (ou ilusão) – ela não consegue compreender a Verdade.

E essa é justamente a peça chave que faltava em nosso entendimento: enquanto trabalhamos unicamente no nível da mente, não resolvemos a principal causa do sofrimento humano – o eclipse de nosso Ser – porque é justamente a mente quem faz isso! Continuamos distantes de nossa real natureza, simplesmente porque nenhuma destas técnicas e métodos foram desenvolvidos pra provocar abertura interior. Continuamos afastados de nossa Verdade, embora estejamos “crentes” de que conhecemos o caminho…

Todos estes métodos podem ser muito eficazes na superfície, e tem a capacidade de acalmar muitas tempestades e pacificar muitos conflitos, mas os verdadeiros monstros das profundezas continuam intocados por eles!

É neste ponto que entra a Regressão, porque ela tem a capacidade de “ir além”.

Deixamos as limitações dos eventos recentes pra encontrar as “causas primárias” de questões que sequer suspeitávamos que existissem.

Podemos experienciar a sensação de continuidade que está além do tempo ou do entendimento mental, através de um “sentir” que palavras não conseguem descrever, acrescentando então uma dimensão metafísica REAL em nossas vidas.

Passamos a viver de maneira mais profunda, muito além da experiência que qualquer crença poderia nos proporcionar – e começamos, verdadeiramente, a SER MAIS! – e não é exatamente isso que estamos procurando?

DETALHES IMPORTANTES:

É preciso acreditar em vidas passadas pra passar por uma regressão?

Não. Crenças geram expectativas, que tendem a distorcer a pureza da experiência. E se você não acreditar em nada, também não tem nada em que duvidar!

Conhecemos vidas passadas para escrever um romance?

Definitivamente não! Acessamos estas memórias pra reconhecer padrões ocultos de condicionamento mental. Lembre-se que Liberdade é sempre a nossa meta!

Existe perigo em realizar uma regressão?

Bem, precisamos entender que nem tudo é pra todos!

Se você não está seguro, toma medicamentos fortes ou tem alguma debilidade no coração, então regressão não é pra você.

O mesmo princípio se encaixa se está “curioso” sobre o processo. Nestes casos, outros métodos menos intensos são recomendados. É preciso uma certa “maturidade” pra passar pelo processo.

Seja como for, a regressão somente é feita após entrevista com o interessado.

Qualquer pessoa consegue atingir um estado de regressão?

Utilizamos um método de percepção de estados sutis de energia e consciência para identificar bloqueios.

Através deste método, algumas pessoas têm resultado imediato.

Outras precisam de mais sessões para se conectar a estes estados.

Muitas simplesmente não o atingem!

Meditadores, em geral, conseguem regressar com mais facilidade.

Quais as aplicações? Onde um processo sistemático de regressão pode me beneficiar?

As aplicações são as mesmas que outros métodos possibilitam: autoconhecimento, e a resolução de bloqueios em todas as áreas de interação humana.

Mas além do acima mencionado, se quiser aprender mais sobre a extensão do processo, sugerimos o estudo do livro “Regressão, terapia de vidas passadas para liberdade aqui e agora” escrita por Samuel Sagan e disponível em nossa página de apostilas.

Mais alguma recomendação especial?

Um certo grau de entusiasmo é sempre bem-vindo!

Além, é claro, de disposição pra se conhecer e aprofundar cada vez mais.