O esquecimento

Você conhece alguém com problemas de memória? É, eu também. Vou contar duas histórias pra ilustrar:

Tenho uma filha de 13 anos, se não for a melhor da escola está entre as primeiras – e não é conversa de pai coruja não, é a palavra do diretor mesmo! Nem pega nos cadernos, é boa no que faz sem fazer nenhum esforço. Na escola ninguém segura – mas em casa é um fiasco! Tarefas básicas como arrumar o quarto, lavar a louça ou usar o aparelho ortodôntico são sempre “esquecidas” – novamente, tenho certeza que é verdade, ela esquece mesmo. Mas como isso é possível? Como pode se sair tão bem onde a maioria patina, e tão mal em coisas tão simples e banais?

Profissionalmente já pude constatar essa mesma situação se repetindo em outro formato: chega a hora marcada e nada do cliente. Ligo pra ele: cadê você? Estou esperando… “ah, eu esqueci da consulta”. Tudo bem pode vir, estou aguardando do mesmo jeito… “hum… hoje não vai dar, vamos deixar pra outro dia?”

Por trás desta e de outras situações, existe um sentimento comum a todos nós. Quem não padece de esquecimento? Você já marcou um compromisso e esqueceu? Estudou para uma prova e esqueceu o conteúdo – o famoso “branco”? Saiu de casa e quando chegou ao destino percebeu que um documento importante ficou em casa? Esqueceu de colocar o relógio pra despertar no horário certo e atrasou para um compromisso? Esqueceu de pagar uma conta?

Pois é, é mais comum do que se imagina. Mas o que nem todos se dão conta é que existe algo maior, mais misterioso e que normalmente passa despercebido movimentando as engrenagens de nossa memória: a auto sabotagem – e sobre isso daria pra escrever um livro.

Auto sabotagem é uma maneira bonita de dizer que você está realizando atitudes que prejudicam apenas a si próprio – e esquecimento é a justificativa que damos pra nos ausentarmos da responsabilidade pela nossa inércia. Esquecimento é fuga.

Por trás de toda forma de esquecimento existe um sentimento sabotador, aquela parte de nós mesmos que joga contra nosso time interior, que nos impede de ter unicidade e realizar aquilo que nos havíamos proposto a realizar. Como acontece quase sempre, dificilmente percebemos a sabotagem agindo porque ela se realiza nos bastidores e nos damos conta disso apenas quando o resultado aparece de forma negativa. Afinal, é preciso ter coerência.

Mas você conhece alguém que esqueceu o dia do pagamento? Uma formatura? Uma promoção? Isso prova que aquilo que nos agrada não passa despercebido pela nossa mente. Boicotamos datas e informações que nos incomodam de alguma forma, mesmo que a consciência não se dê conta disso.

Mas existe uma parte em nós que nunca esquece: o nosso subconsciente. Pra ele, sempre é agora e amanhã é o mesmo que nunca. Mas preste atenção: somos 95% do tempo subconscientes – portanto é ele quem manda!

Agora vou dar mais alguns exemplos pra ilustrar como e porque as coisas funcionam:

Atendi certa vez um profissional se preparando para um concurso público com dificuldade para aprender a matéria. Depois de uma hora de consulta, passando por sentimentos de medo de não aprovação, insegurança e decepção consigo próprio (porque ele já havia sido reprovado anteriormente) a resposta veio rápido: se fosse aprovado, teria que mudar de cidade – e isso ele não queria fazer! O jeito mais fácil pra que ele permanecesse morando onde estava era a não aprovação…

Em outra situação a queixa do cliente foi que ele estava esquecendo os nomes próprios de pessoas até mesmo do seu círculo social próximo. Embora se lembrasse do rosto de alguém, o nome ficava preso na ponta da língua. Nesta situação a EFT não produziu resultados observados rapidamente, além de que não era possível mensurar a melhora no momento imediato ao da aplicação. A recomendação então foi realizar algumas rodadas diariamente pra encontrar o foco, que rapidamente apareceu: essa pessoa havia tido uma briga com um grupo de trabalho, se decepcionou demais. Qual foi a forma mais simples que o subconsciente teve de diminuir aquele sofrimento? Simples, bastou “esquecer”…

Como se vê, sempre existe um motivo oculto movendo nosso sistema. Em nenhuma das situações era algo voluntário, simplesmente acontecia sem que a consciência de vigília do cliente percebesse. Esquecer é uma forma de não assumir um compromisso, em qualquer área  de nossa vida: saúde, relacionamentos, trabalho, estudos, finanças…

Ah sim, eu já ia esquecendo: pessoas bem-sucedidas sempre cumprem seus compromissos. Pense nisso!

Um abraço

Rafael Zen

Terapeuta holístico

Praticante de EFT

Siga-me!

Rafael Zen

Eu sou fascinado pelos mistérios e conexões entre o corpo, a mente e a consciência. E o que poderia existir de mais transformador do que o conhecimento de si mesmo?
Siga-me!

Últimos posts por Rafael Zen (exibir todos)

3 thoughts on “O esquecimento

  1. fico enteressado nesta ciência por que agora vejo que os meus atepassados tiveram essa dificuldades para administrar suas vidas agora se tem uma ferramenta poderosa para decipar esta praga que destroi nosso desenvolvimento estou disposto lutar para me libertar disso e dar melhor qualidade de vida a mim mesmo e servir de espelho de qualidade para aquele vem pos mim.

  2. Olá Rafael, é tao bom saber que esses problemas sempre tem uma raiz que pode ser entendida, e melhor! removida! Eu me lembro de quando vivia pensando que meu destino era ser um garoto tímido sem coragem e que nao havia forma de mudar. Estou engolindo toda informação nova que encontro aqui obrigado e parabéns.

Comente! Sua opinião é importante pra nós!